quarta-feira, 29 de março de 2017

História de Israel - Guerra dos Seis Dias

Mais um post da série HISTÓRIA DE ISRAEL:

Bibliografia:
Stand With Us.  
Jewish Virtual Library 

Myths and Facts



Os três protagonistas de uma foto histórica voltam ao Kotel, juntos.


Guerra dos Seis Dias

A Guerra dos Seis Dias representou uma impressionante vitória das forças israelitas, apesar de todas as probabilidades estarem contra o pequeno país, que então estava apenas na sua segunda década de existência. Atormentado pelos ataques de seus vizinhos árabes desde 1948, Israel conseguiu contudo realizar um ataque surpresa, derrotar os bem financiados exércitos árabes e ganhar partes significativas de terra, incluindo a Cidade Velha de Jerusalém.

Após a vitória de Israel na Campanha do Sinai na década de 1950, o presidente egípcio Gamal Abdel Nasser prometeu buscar vingança pelas perdas árabes. Em 1960, Israel tentou chegar a a acordo com os seus vizinhos árabes e negociar um tratado de paz. O Presidente Nasser respondeu que os árabes nunca reconheceriam o Estado judeu e que uma negociação pacífica era impossível. Em 1964, a OLP, a Organização de Libertação da Palestina, foi fundada, com o objetivo explícito de "libertar" a Palestina através da erradicação do Sionismo e da destruição de Israel. A maior e mais influente facção da OLP, a Fatah, dominou a OLP, e o líder da Fatah, o terrorista egípcio Yasser Arafat, tornou-se o presidente da OLP.

OLP passou a lançar ataques contra Israel, aos quais Israel respondeu militarmente. Os árabes infiltraram-se em Israel através da Jordânia, da Faixa de Gaza controlada pelo Egipto e através do Líbano. As hostilidades afectaram Israel em todas as frentes. No norte, o governo israelita, para aumentar o suprimento de água para os seus cidadãos, construiu a National Water Carrier, que desviou a água do rio Jordão para Israel. A Síria opôs-se ao aqueduto e começou a bombardear as povoações israelitas a partir da sua posição estratégica nos Montes Golan. Os ataques aumentaram em intensidade em 1965 e 1966. Em abril de 1967, a Síria informou falsamente que Israel estava a reunir tropas em preparação para um ataque, pedindo a Nasser para vir em seu auxílio.


 A Guerra Acabou - Vitória Total de Israel.


Enquanto isso, na fronteira egípcia, as tensões continuavam a crescer, desde a Campanha do Sinai, uma década antes. A Força de Emergência das Nações Unidas, posicionada na Península do Sinai como um amortecedor entre Israel e Egipto, foi mandada retirar-se por Nasser, uma demanda que a UNEF cumpriu. Em 22 de maio de 1967, o Egipto bloqueou o Estreito de Tiran, na costa de Eilat, proibindo qualquer navio de sair ou entrar em Israel. Os suprimentos de Israel, incluindo os embarques críticos de petróleo, foram cortados. Esta foi a segunda vez que os estreitos foram bloqueados. Após o incidente de 1956, Israel recebeu garantias internacionais de que continuaria a ter direito de transporte no estreito, e Israel deixou claro que outro bloqueio seria considerado um acto de guerra. O Egipto e a Jordânia assinaram rapidamente um tratado que prometeu ajuda mútua. Forças árabes foram mobilizadas e reunidas na fronteira israelita.

Os Exércitos da Síria, Egipto, Jordânia e Líbano, estavam prontos para a guerra. As tentativas de paz fracassaram, e os Estados Unidos permaneceram neutros durante o conflito, deixando Israel isolado. Israel foi ficando cada vez mais alarmado com a rectórica e as acções dos Árabes. As Forças de Defesa de Israel sabiam que se tomassem uma posição defensiva, à espera de serem atacadas, não conseguiriam resistir à poderosa coligação das forças unidas árabes. Em vez disso, Israel foi para a ofensiva, lançando um ataque surpresa contra o Egipto.


Tocando o shofar a anunciar o cumprimento da Profecia.


Dos quatro países árabes que se propunham mais uma vez obliterar Israel, o Egipto era o que tinha a maior força aérea. Em 5 de Junho de 1967, por volta das sete da manhã, quase toda a Força Aérea israelita, com excepção de alguns aviões de combate que ficaram para trás como defesa, partiram para o Egipto. A escolha do início da manhã foi deliberada - Israel sabia que a maior parte dos aviões egípcios estariam em terra, e os oficiais ainda a tomarem o pequeno-almoço ou a dirigirem-se para o serviço. Israel também conseguiu escapar dos radares egípcios, voando por rotas inesperadas. A aposta de Israel compensou: 309 dos 340 aviões egípcios foram demolidos. As forças terrestres então movimentaram-se, protegendo a Península do Sinai e a Faixa de Gaza.

Certo do seu sucesso na fronteira egípcia, Israel voltou-se para a fronteira jordana, a leste. O primeiro-ministro Levi Eshkol pediu que o Rei Hussein da Jordânia não se envolvesse no conflito, mas logo no dia 5 de Junho, a Jordânia começou a bombardear Jerusalém Ocidental - a secção israelita. Na manhã seguinte, as Forças Aéreas da Jordânia e da Síria tinham sido largamente destruídas, e as tropas terrestres avançavam para a cidade de Jerusalém. Na manhã de 7 de Junho, a Legião Jordana foi derrotada, e os pára-quedistas israelitas tomaram a Cidade Velha. Num dos momentos mais emocionais do Israel moderno, os judeus chegaram ao Muro das Lamentações pela primeira vez em décadas, e o local mais sagrado do Judaísmo passou a estar sob controle judaico pela primeira vez em 2.000 anos. O capelão do IDFRabi Shlomo Goren, fez soar o shofar para assinalar a vitória de Israel. Naquela noite, um cessar-fogo estabelecido pela ONU entre Israel e a Jordânia entrou em vigor.


Soldado israelita refresca-se no Suez.


Visto que a Jordânia se envolveu na luta, muitos colonos árabes que viviam na Judeia e Samaria (vulgo Cisjordânia) fugiram, não querendo ser apanhados no fogo cruzado entre as tropas jordanas e israelitas. Aproximadamente 325.000 árabes ditos “palestinos” fugiram para a Jordânia. O IDF evacuou alguns pela força. Muitos foram autorizados a retornar. Outros receberam ofertas de assistência do governo israelita para se estabelecerem em outros lugares. No entanto, o problema dos refugiados, que começou em 1948, foi exacerbado, com novos refugiados e pessoas deslocadas aumentando a população de refugiados existente.

Proteger a fronteira do norte da Síria mostrou-se o mais difícil. Os sírios tinham a vantagem estratégica da posição mais alta que ocupavam, e as escassas forças israelitas no norte só poderiam ser reforçadas assim que as fronteiras jordana e egípcia estivessem garantidas. Em 9 de Junho, as forças israelitas conseguiram romper as linhas sírias, ganhando o controle das Colinas de Golan. No dia seguinte, a Síria e Israel assinaram um acordo de cessar-fogo.

Os países árabes esperavam uma vitória rápida e decisiva sobre o isolado Israel. As perdas sofridas pelos países árabes foram devastadoras - o Egipto, a Jordânia e a Síria perderam um total combinado de 18 mil soldados. Em comparação, o IDF perdeu 700 soldados, uma perda ainda assim significativa para um país tão pequeno. Os países árabes também perderam muitos dos seus aviões e armamento.




Os territórios conquistados por Israel na Guerra dos Seis Dias - sobretudo a Faixa de Gaza e a Judeia e Samaria (vulgo Cisjordânia) - têm sido objecto de muita disputa. Durante os Acordos de Camp David em 1978, Israel deu a Península do Sinai ao Egipto. Essa dádiva, de cerca de dois terços do seu território, em troca de um acordo de paz, foi mais um de muitos sinais de boa vontade por parte do Estado Judaico, que logo na restauração da sua independência deu 88% do seu território aos colonos árabes para estes fundarem a Jordânia, um país completamente inventado, sem História.

Israel manteve o controlo sobre os locais sagrados judaicos em Jerusalém, mas permitiu que o Monte do Templo, indiscutivelmente o lugar mais sagrado no Judaísmo, permanecesse sob controlo muçulmano. Em 2005, Israel renunciou ao controle da Faixa de Gaza a favor da chamada “Autoridade Palestina”. Os habitantes de Gaza escolheram ser governados pelos terroristas do Hamas, ainda mais radicais. Desde então, o território de Gaza serve de base para ataques terroristas contra Israel.


DOCUMENTÁRIOS SOBRE A GUERRA DOS SEIS DIAS:






NÃO SE PODE VENCER UMA PROFECIA:

Sem comentários:

Enviar um comentário