terça-feira, 9 de maio de 2017

História de Israel - Guerra do Yom Kippur

Mais um post da série HISTÓRIA DE ISRAEL:

Bibliografia:
Stand With Us.  
Jewish Virtual Library 

Myths and Facts




Guerra do Yom Kippur

A terceira década de Israel foi um tempo volátil. Golda Meir ocupou o cargo de Primeira Ministra, sucedendo a Levi Eshkol, que morreu enquanto estava no cargo. Em Setembro de 1970, o Rei Hussein da Jordânia lançou uma campanha militar para expulsar a OLP do seu país e restabelecer a sua monarquia. Quando a Síria invadiu a Jordânia, com a intenção de ajudar a OLP, Israel reuniu tropas na fronteira síria e a Síria retirou as suas forças. Posteriormente, a OLP mudou a sua sede para o Líbano, assumindo o controle do sul do país.

Também nesse momento, os judeus soviéticos estavam a tentar desesperadamente entrar em Israel, devido ao aumento do anti-semitismo na União Soviética. No entanto, foi negado a muitos a concessão de ​​vistos de saída da URSS. Esses judeus ficaram conhecidos como os Prisioneiros de Sião, ou "refuseniks". Um dos reféns mais famosos, que se tornou um defensor sincero da causa “refusenik” e mais tarde um membro do Knesset, foi Nathan Sharansky.



 Golda Meir


1972 foi também o ano da tragédia nos Jogos Olímpicos de Munique. Uma organização afiliada na OLP, Setembro Negro, à qual pertencia o actual líder da “Autoridade Palestina”, o mega-terrorista  Mammoud Abbas, organizou um ataque sistemático contra os atletas judeus alojados na Aldeia Olímpica. Devido ao laxismo na segurança, os terroristas foram capazes de entrar nos apartamentos dos israelitas. Dois atletas foram mortos nos apartamentos, e nove outros foram levados como reféns e assassinados após uma tentativa de resgate fracassada. No rescaldo dos assassinatos, Israel lançou com uma campanha para eliminar os terroristas que assassinaram os reféns, e as Forças de Defesa de Israel também atacaram a sede da OLP no Líbano.


No ataque terrorista contra a delegação israelita nas Olimpíadas de Munique, planeado pelo actual líder "palestino" Mammoud Abbas, os  jihadistas torturaram e mutilaram os atletas antes de os assassinarem (como aconteceu em Paris, no Ba-ta-Clan). O halterofilista Yossef Romano foi castrado e os companheiros obrigados a presenciar.


Dentro das fronteiras israelitas, no entanto, havia uma sensação de paz e segurança, e o povo estava totalmente confiante de que seu Exército iria protegê-lo de novos ataques. Essa complacência teve consequências desastrosas. Anwar Sadat, o presidente do Egipto após a morte de Gamal Abdel Nasser, havia repetidamente afirmado que o Egipto atacaria Israel. Sadat alternou essas ameaças com ofertas de paz em troca da terra que Israel tinha conquistado em 1967. O Rei Hussein, num esforço para retribuir a Israel a sua ajuda no ataque da Síria em 1970, alertou Israel de que um ataque estava iminente. Golda Meir, no entanto, não tomou a sério o aviso, e o povo israelita estava convencido de que seu poder militar era bastante dissuasivo.

Eles foram completamente surpreendidos, quando, na manhã de Yom Kippur, em 1973, o dia mais sagrado do calendário judaico, o Egipto e a Síria lançaram um ataque surpresa contra Israel. As forças inimigas entraram em Israel através do Canal de Suez e dos Montes Golan com o objectivo declarado de recapturar a terra conquistada por Israel. O esforço egípcio-sírio foi assistido por outros países árabes: Iraque; Arábia Saudita e Kuwait, que enviaram dinheiro e tropas; pelos países da África do Norte (Líbia, Argélia, Tunísia e Sudão); e Líbano. Mesmo o Rei Hussein, um tanto relutante, enviou duas das suas melhores unidades para a Síria.


É desta! - pensou o mundo...

O povo israelita foi tomado completamente de surpresa e não teve tempo suficiente para se preparar. A princípio, os exércitos egípcio e sírio avançaram. Eles estavam melhor armados do que em 1967, e o Exército israelita tinha negligenciado tarefas básicas de manutenção dos seus tanques e armamento, deixando-os despreparados, com armas de baixo desempenho. No entanto, num período de três semanas, o IDF recompôs-se e foi capaz de recapturar os Montes  Golan das forças sírias e expulsar as forças egípcias na Península do Sinai.

Passado um mês, foram assinados acordos de cessar-fogo. Apesar da vitória, a Guerra do Yom Kippur é considerada geralmente uma falha, devido às pesadas baixas sofridas pelas tropas israelitas. Mais de 2.600 soldados foram mortos, e outros 7.200 feridos. O alto número de mortes é geralmente atribuído à falta de preparação de Israel para um ataque de tal magnitude. Além das perdas de tropas, a economia sofreu devido ao enorme orçamento de armas necessário para a guerra. Na esteira do desaire, a Primeira-Ministra Golda Meir renunciou, e Yitzhak Rabin, que tinha sido Chefe de Gabinete do IDF, assumiu o cargo de Primeiro-Ministro. Outro resultado da guerra foi que o Egipto e Israel mostraram maiores sinais de vontade de negociar, levando aos Acordos de Camp David no final da década.

Ariel Sharon com Moshe Dayan durante a Guerra do Yom Kippur, em Outubro de 1973.

Como resultado da Guerra do Yom Kippur, a Arábia Saudita iniciou um embargo de petróleo contra todos os países que negociavam com Israel, especificamente os Estados Unidos e a Holanda, que tinham apoiado Israel durante a guerra. Israel, que havia avançado na esfera diplomática durante a década de 1960, regrediu, já que muitos países africanos e asiáticos romperam os laços diplomáticos com Israel. Os Estados Unidos foram obrigados a comprar petróleo através dos países europeus, e os preços do petróleo dispararam em todo o mundo. O mundo árabe ganhou uma vantagem, porque percebeu o grande poder que exercia com o seu fornecimento de petróleo, que continua a ser crucial. O embargo só terminou em Março de 1974.

Massacre de Ma'alot. Os terroristas massacraram 26 inocentes e a ONU recompensou-os com o reconhecimento.

Em Maio de 1974, outra organização afiliada na OLP cometeu um acto brutal de terrorismo contra crianças. 102 crianças de uma escola de Ma'alot foram mantidas reféns pela Frente Democrática para a Libertação da Palestina. Vinte e duas crianças  e quatro adultos foram mortos. 66 ficaram feridas. Apesar disso, naquele mesmo ano a ONU reconheceu a OLP como representante do “povo palestino”. Muitos afirmam que este foi um esforço de apaziguamento dirigido ao mundo árabe, com o embargo de petróleo ainda fresco na mente de todos. A OLP obteve o estatuto de observador permanente na ONU e, em 1975, a ONU aprovou a tristemente famosa declaração "Sionismo é Racismo".


David continua a vencer Golias


Durante os anos de Rabin, de 1975 a 1976, os assentamentos religiosos judeus começaram a expandir-se na Judeia e Samaria (a que os inimigos de Israel chamam Cisjordânia) e na Faixa de Gaza. O ataque histórico a Entebbe ocorreu em 1976, quando um avião da Air France foi sequestrado por terroristas ‘palestinos’ e alemães, da Frente Popular para a Libertação da Palestina e das Células Revolucionárias, respectivamente, e voou para o Uganda, na época governado pelo canibal, assassino em massa, tirano e ditador Idi Amin. Os reféns não-judeus foram libertados e os terroristas ameaçaram matar os restantes reféns judeus se as exigências de libertação dos prisioneiros não fossem cumpridas. Rabin lançou uma arriscada operação para resgatar os reféns, e, a coberto da noite, os comandos israelitas entraram, resgataram os reféns e mataram muitos dos terroristas. Três reféns foram mortos e cinco comandos israelitas ficaram feridos. O único soldado israelita que morreu foi Yonatan "Yoni" Netanyahu, irmão de Benjamin Netanyahu. Em sua honra, a operação foi mais tarde renomeada "Operação Yonatan".


 Yonatan "Yoni" Netanyahu, irmão de Benjamin Netanyahu, morto em combate.


Menachem Begin tornou-se primeiro-ministro em 1977, o primeiro político de Direita a fazê-lo. Começar por apoiar activamente os assentamentos na Judeia e Samaria, e os de Gaza, que começaram sob a liderança de Rabin, apesar de o então Presidente dos Estados Unidos, o esquerdista e islamófilo Jimmy Carter,  se ter manifestado contra. Em Novembro de 1977, um ponto de viragem no conflito Egipto-Israel foi alcançado. O presidente Anwar Sadat visitou Jerusalém para conversar com Begin

Os dois países iniciaram o processo de paz. Em Março de 1978, terroristas libaneses-‘palestinos’ que se opunham a este processo de paz sequestraram um autocarro que transportava famílias israelitas, matando 35 pessoas, incluindo treze crianças. Israel atravessou a fronteira para o Líbano, mas retirou-se alguns dias depois de a ONU ter criado uma força de manutenção da paz para permanecer no Líbano.

Israel tem enfrentado inimigos desmesuradamente superiores, mas é o seu pior inimigo, ao acreditar que a paz é possível com aqueles que vivem para os destruir.

Em Setembro de 1978, o Presidente dos EUA Jimmy Carter reuniu com Anwar Sadat e Menachem Begin em Camp David, e foi acordado um plano para a paz entre os países. Os acordos estabeleceram um plano amplo para a paz no Médio Oriente, incluindo a autonomia para os 'palestinos' na Judeia e Samaria e Gaza e um tratado de paz entre o Egipto e Israel. Em Março de 1979, os dois Chefes de Estado assinaram o tratado, com Carter como testemunha. Israel ofereceu assim a Península do Sinai ao Egipto, em Abril de 1982. Esse território, rico em recursos naturais, representava 2/3 da área de Israel.

Jamais na História um país teve tal atitude: trocar terra por paz. Como aconteceu em Gaza (outro território oferecido em troca de paz) e na Judeia e Samaria, estas acções de boa-vontade da parte de Israel foram desastrosas, tendo servido apenas para que os inimigos ganhassem novas bases para novos ataques, na sua perpétua ânsia de destruição do povo judeu.




 

Sem comentários:

Enviar um comentário