sábado, 1 de julho de 2017

História de Israel - Porque é que não há paz?




Conclusão da série HISTÓRIA DE ISRAEL:

Bibliografia:
Stand With Us.  
Jewish Virtual Library 

Myths and Facts


No ataque terrorista contra a delegação israelita nas Olimpíadas de Munique, planeado pelo actual líder "palestino" Mammoud Abbas, os  jihadistas torturaram e mutilaram os atletas antes de os assassinarem (como aconteceu em Paris, no Ba-ta-Clan). O halterofilista Yossef Romano foi castrado e os companheiros obrigados a presenciar. O ódio e o supremacismo islâmico é a única razão do conflito israelo-árabe.


Porque é que não há paz?
Os palestinos tiveram inúmeras oportunidades para criar um Estado independente, mas têm repetidamente rejeitado as ofertas:
Em 1937, a Comissão Peel propôs a divisão da Palestina e a criação de um Estado árabe.

Em 1939, o Livro Branco britânico propôs a criação de um Estado árabe, mas os árabes rejeitaram o plano.


Em 1947, a ONU teria criado um Estado árabe ainda maior como parte do seu plano de partição. Israel aceitou o plano. Os estados Árabes atacaram quando Israel declarou a Independência.


As negociações de paz de 1979 entre Egipto e Israel ofereceram a autonomia dos 'palestinos', o que teria levado à plena independência.


O processo de Oslo, iniciado em 1993, visava a criação de um Estado 'palestino', mas o terrorismo  dos 'palestinos' destruiu os acordos.


Em 2000, o primeiro-ministro Ehud Barak ofereceu-se criar um estado palestino, mas Yasser Arafat rejeitou o acordo.
Além disso, de 1948 a 1967, Israel não controlava a Judeia e Samaria, (vulgo Cisjordânia). Os 'palestinos' poderiam ter exigido um Estado independente dos jordanos.
Mohammed Assaf, um embaixador da juventude do UNRWA, vencedor do “Arab Idol” e organizador de campanhas para recolher doações, vem glorificando violência no seu Facebook. O seu novo vídeo encoraja a onde actual de ataques, esfaqueamentos, motins, e ataques à mão armada, cantando "Lute até que o agressor seja derrotado". Os muçulmanos vêem-se sempre como vítimas, sendo eles os agressores.

A respostas dos "palestinos" às ofertas de paz por parte de Israel:


Os líderes religiosos islâmicos admitem que ter um Estado é apenas um pretexto: o seu objectivo é o extermínio dos judeus:


O historiador Benny Morris sugeriu que os 'palestinos' têm razões religiosas, históricas e práticas para se oporem a um acordo com Israel, dizendo que "Arafat e sua geração não podem abandonar a visão de que toda a toda a Terra de Israel deve ser conquistada pelos árabes".
Os muçulmanos, que, tal como os cristãos, criaram a sua religião a partir do Judaísmo, decidiram que Israel é uma Terra Santa... islâmica. Decidiram que Israel pertence ao Dar al-Islam [o mundo do Islão].
Tendo uma terra estado uma vez nas mãos dos muçulmanos, então, segundo o Islão, essa terra será sempre dos muçulmanos. É o que vemos actualmente o Califado Global a reivindicar, quando proclama, por exemplo, que a Península Ibérica é por direito deles.
Aliás, ninguém está em segurança: o Islão, tal como o Comunismo e a sua variante alemã, o Nazismo, reivindica todo o planeta.
É inconcebível para os muçulmanos que "infiéis" como os israelitas o receberiam. "Os 'palestinos' também acreditam que o tempo está ao seu lado. Eles acham que a demografia vai derrotar a Judeus em 100 ou 200 anos, assim como aos Cruzados".
Os 'palestinos' também esperam que os árabes adquiram armas nucleares no futuro, que lhes permitam derrotar Israel. Porque é que eles deveriam aceitar um compromisso que é percebido por eles como injusto hoje?".



História das sucessivas tentativas de paz com os árabes, e da sua renúncia a qualquer solução que não seja o extermínio dos israelitas e de Israel:



ALGUNS VÍDEOS QUE DEMONSTRAM QUE O ÓDIO AOS JUDEUS E A NECESSIDADE DE OS EXTINGUIR (SOB PENA DE INVALIDAR O ISLÃO) É A ESSÊNCIA DA IDEOLOGIA MAOMETANA:






  

  

  

O canal PALESTINA LIVRE, enquanto não for censurado, é uma excelente fonte de vídeos traduzidos para Português.
Releia:

DA ALDRABICE E DA POUCA VERGONHA!



Sem comentários:

Enviar um comentário